O Método de Pepe Chevette

Título: O Método de Pepe Chevette
Autora: Laura Erber
Ilustração: Herbert Loureiro
Editora Biruta
São Paulo
Ano de publicação: 2021
Número de páginas: 69


Uma história de criança, que os adultos também devem ler
Por Maria Eduarda Gomes

 

Se tivesse que definir em uma palavra, diria sensível.

Uma história de criança, mas que toca o coração de adultos, ou que sabe despertar a criança dentro da gente que urge por atenção ainda, ou que nos faz voltar a ser Calmomilis Tranquilae Relax Sapiens. 

O Método de Pepe Chevette é uma daquelas histórias que contam uma história, e ainda conseguem esconder uma história dentro delas, o Professor Monza fica orgulhoso com suas roupas de criança num corpo de adulto. 

A brilhante história do peixe que não foi pescado, escondendo uma verdade dolorosa por trás, nos faz lembrar de tantas vezes que deixamos nossos sentimentos escondidos, bem lá no fundo, onde ninguém vê. 

A história do Pepe que precisa aprender a contar uma história é uma história que você começa e não para, te prende, te faz sentir. As melhores histórias são afinal aquelas daquelas que dão um leve arrepio quando algo acontece. 

Uma história que me faz querer ter um filho só pra ler histórias pra ele antes de dormir. Pepe me faz lembrar de não Sapiens irritadiços e meio surdos. 

Acho que todo mundo já teve uma professora como a Opala Fuks que parecia calma, mas que na verdade era brava, e não escutava as crianças, e quem sabe não prestava atenção exatamente no que acontecia de importante ao redor.

Gosto de como cada momento da história pode ser pensado como uma metáfora da vida adulta. Por exemplo, quando a professora Opala Fuks coloca Pepe Chevette contra a parede sem perceber, a cena descreve bem a angústia do garoto. Gosto de como cada momento da história pode ser pensado como uma metáfora da vida adulta. 

Os rituais com a avó eram o que faziam a escrita de Pepe melhor, ALERTA DE SPOILER e perdê-la foi uma pancada forte, sua mente ficou bagunçada e sua escrita travou.

Como já disse, uma história de criança, para mexer com adultos.

Pepe foge um pouco da realidade, quer contar histórias que não o relembrem da tristeza da perda, mas percebe que não pode resolver assim. Tenho certeza de que qualquer adulto já fugiu ou tentou fugir dos seus problemas até perceber que não tinha como fugir.

Apenas o meu momento favorito da leitura agora: palavras e imagens não são reais, como um abraço. Imagens e palavras existem, são reais, mas não são pegáveis. Aqui o Pepe Chevette descobre que tem de criar seu próprio método, linda a referência ao Harry Potter, pegou no meu emocional, e ele fala sobre o método da força... Isso me fez chorar.

A literatura, e escrita me salvou, e me mostrou outro caminho pela criatividade, escrever histórias, e me senti tão dentro dessa história, que comoveu de verdade. 

Eu também tive um professor Monza que me levou para um passeio para descobrir mais sobre minha criatividade, simplesmente se tornou a minha favorita!

Se continuar vou contar tudo que esse livro guarda, então aqui paro de contar sobre o que você vai encontrar em O Método de Pepe Chevette, LEIA! Mas leia como se fosse uma criança, leia para suas crianças, leia para se lembrar que é extremamente humano gostar de contar histórias e de ouvi-las também. 

Este é o primeiro livro de Laura Erber publicado pela Editora Biruta, com ilustrações de Herbert Loureiro. Laura Erber é escritora, ensaísta, artista e também professora. 

Um último comentário: comecei a usar o método Pepe Chevette para redações, aprendi que palavras não são de ninguém, são de quem as usa. E principalmente, ninguém sabe o que procurar, mas gosto de pensar que sei para onde estou indo.

 

Maria Eduarda Gomes, nasceu em 2003, é estudante do 1° período de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).


TORVELIM | Todos os direitos reservados © 2019 | contato@torvelim.com.br